Chegou a hora da justiça

Por Danielle Strickland

O racismo e seu repulsivo sistema enraizado de supremacia branca estão sendo expostos, chamados, nomeados e conhecidos de uma maneira que poderia nos libertar de todas as suas garras do mal, se abraçarmos este momento e essas boas novas.

E são boas notícias.

Um momento catalítico atiçou uma centelha que incendiou os Estados Unidos, e o mundo está pegando fogo. Um celular capturou imagens do trágico e brutal assassinato de George Floyd. Seus últimos momentos estão congelados no tempo, ecoando através dos séculos. “Por favor, não consigo respirar” deixou todos prestando atenção, prendendo a própria respiração.

A imagem da autoridade branca em um uniforme da polícia, colocando o joelho no pescoço de um negro que pedia por sua vida, representava uma opressão de quatrocentos anos de idade na fundação de uma nação. O comportamento implacável e imóvel desse oficial capturou como o racismo literalmente aperta o fôlego das pessoas – até que a vida sagrada se esgote completamente.

Este momento também é conhecido como a gota d’água.

“Tire o joelho do pescoço dele” é o sussurro que escapou dos meus lábios enquanto eu observava impotente e com os olhos arregalados o terror na cena que se desenrolava. E esse mesmo sentimento saiu das bocas e vidas de centenas de milhares de pessoas em todo o mundo.

Um momento. Agora um movimento.

Esse sussurro cresceu em minha própria vida, quando me juntei a milhares de outras pessoas em minha cidade, marchando em solidariedade com minhas irmãs e irmãos negros, indígenas e negros em todo o mundo. Agora é a hora. Essa injustiça – essa opressão – esse mal – esse racismo. Chegou a hora.

Líderes em todos os lugares – acordem!

Enquanto escrevo isso, sei que as pessoas se perguntarão: como isso pode ser uma boa notícia? Há caos, agitação, perturbação, medo e até caos nas cidades e vilas da América e do mundo.

Como isso pode ser bom?

Estou tão feliz que você tenha se perguntado … há muito a dizer e não há tempo ou palavras suficientes para dizê-lo aqui.

Deixe-me sugerir três idéias para ajudá-lo a despertar essas boas notícias e liderar agora:

1. Disrrupção é um presente.

O status quo geralmente não traz boas notícias. Solidifica sua realidade existente. Isso funciona muito bem quando a vida é boa, mas se sua vida está do lado errado da rua, da vila, da cidade, da cor ou do sexo – então o status quo funciona como uma tampa pesada que perpetuamente aperta seu potencial e seu futuro.

O problema da disrrupção para os líderes é que nunca parece um presente. Parece um caos impossível de gerenciar e completamente fora de seu controle. Facilmente gera medo em pessoas que não sabem o que fazer com ele. No entanto, como líder, a disrupção é sua melhor esperança de mudar o futuro.

Se você pode abraçar a disrupção deste momento, pode usá-lo como um catalisador para a mudança!

Veja como abraçar a disrupção:

  • Considere a alternativa. Você quer que as coisas não mudem para pessoas que sofrem racismo?
  • Identifique como a disrupção serviu você no passado. Faça uma lista de todos os momentos da sua vida que moldaram e formaram sua liderança. Não demorará muito para ver como a disrupção serviu bem. Lembre a si mesmo e às pessoas que você lidera a abraçar essa história; confie que isso  servirá novamente agora.
  • Considere que você pode estar estagnado nesse problema. Se esse movimento o pegou completamente de surpresa, você pode se perguntar há quanto tempo está letárgico e por quê? Expor a bolha da sua vida pode muito bem ser o tipo de disrupção divina que você está precisando para acordá-lo.

2. Faça um trabalho profundo

Meu amigo foi recentemente diagnosticado com câncer. Parte de seu tratamento é mapear suas artérias para que, quando identificarem as células cancerígenas em seu corpo, possam usar seu próprio sistema sanguíneo para administrar a radiação e eliminá-las. Esse processo é doloroso, desconfortável e longo, mas vale a pena. Erradicar o câncer é a melhor maneira de salvar sua vida.

O racismo é um câncer.

Seus efeitos se manifestam em nossa cultura há muito tempo. E continuamos pensando no racismo como uma gripe. Tiramos alguns dias de folga, tomamos Tylenol e voltamos ao ‘normal’ depois que o episódio passou. Mas isso não é gripe. E não pode ser corrigido rapidamente. Não é um problema superficial; não é um problema sazonal – é fundamental. Há uma falha geológica sendo exposta na raiz do problema.

Essa falha geológica percorre todo coração humano e toda organização / sistema que se estabeleceu na supremacia branca. Gostamos de sugerir que a culpa é reservada aos piores tipos de racistas – apoiadores de Ku Klux Klan ou aqueles com tatuagens neonazistas. A verdade é que todos os nossos sistemas ocidentais foram estabelecidos para manter os brancos no centro.

Veja como começar o trabalho profundo agora:

Informe-se. Não tem certeza de que tem todos os fatos? Pesquise. Há uma onda de livros / filmes / podcasts / artigos / palestras do TED oferecidas ao longo dos anos sobre o que é racismo e como ele continua permeando sistemas e estruturas em todos os lugares. Faça o trabalho.

Seja solidário. É para isso que os líderes são feitos. A medida de sua liderança é o que você faz com seu poder. Use seu poder para os outros. Não apenas com palavras, mas com ação.

Comece com você e sua casa. Alguma confissão honesta em sua própria vida, antecedentes, preconceitos, medos e vida virtualmente segregada é um bom lugar para começar. Para sua própria empresa, igreja ou comunidade, uma declaração de apoio e confissão é positiva, mas é apenas o começo. Dê uma boa olhada na sua equipe de liderança, se você não vê a diversidade, reconheça isso como um lugar para começar a cavar.

3. Faça parte da mudança

As pessoas que sugerem que isso é somente sobre George Floyd estão perdendo o objetivo. George Floyd foi o ponto de inflexão em uma situação injusta que está profundamente quebrada há gerações.

As pessoas vêm demonstrando, trabalhando, dizendo, falando, cantando, criando, provando, filmando, processando e lutando por esse tipo de mudança há muito tempo. E já faz muito tempo.

Bruce Cockburn escreveu algo em uma música que muitas vezes penso em meu trabalho pela justiça, ‘chutando a escuridão até que sangre a luz do dia’. Essa pode ser uma imagem útil para o que está acontecendo em um movimento como esse.

As pessoas têm chutado a escuridão do racismo. Eles foram perseguidos por isso, baleados por isso, com seus empregos, vidas, reputações, carreiras, saúde e riqueza e futuros, com seus filhos e filhas – houve gerações de pessoas chutando a escuridão do racismo … e agora, está sangrando a luz do dia.

Toda a cúpula da escuridão está entrando em colapso e a luz está entrando.

Aqui estão algumas maneiras de fazer parte da mudança:

Destaque e invista no trabalho dos líderes que atuam contra o racismo. Levante vozes minoritárias que têm trabalhado pela mudança. Cite-os em seus discursos, sermões e trabalhos escritos. Convide vozes de mudança para falar e ensinar você e sua comunidade / organização (apoie e junte-se a eles). Use seus recursos para investir nessa liderança que você vê na comunidade empresarial, na comunidade artística e naqueles que se organizam para a mudança.

Junte-se à narrativa do movimento. Denuncie o racismo em todas as suas formas e fale abertamente sobre ele.

Comece a trabalhar para mudar isso – por que não começar com um plano de ação em sua própria vida e comunidade?

Este não é um momento, é um movimento.

E líderes, essas são boas notícias. Estou orando para que você acorde com a capacidade que esse movimento tem de levar todos nós juntos à liberdade. Aceite essa disrupção, faça um trabalho profundo e faça parte da mudança.

Está na hora.

Texto original e imagem: https://globalleadership.org/articles/leading-others/its-time-for-justice/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *